17 de jan de 2010

SINAIS


Os Sinais se Apresentam

Devemos ser agradecidos a Deus pela existência da dor.

Esta é suficientemente desagradável para nos fazer retirar os dedos de um fogo aquecido, ou de um aparelho que esteja dando choque. Contudo é essa característica que nos livra da destruição. Se não fosse esse sinal de alerta - a dor -que exige pronta reação, não prestaríamos a atenção devida.

Para aqueles que sofrem de uma doença grave e em estado avançado, a dor é terrível. Contudo, para a grande maioria das pessoas, a estrutura da dor funciona como proteção. Ela é o sinal de que algo não vai bem.

Podemos usar outro exemplo de como ignoramos os sinais: um automóvel. Ele não "quebra" de repente. Primeiro dá alguns sinais: a luz do óleo de freio que não acende, os pneus que estão ficando "carecas", "morre" algumas vezes. Se levarmos em consideração esses sinais, providenciaremos o conserto.

Contudo, na maioria das vezes, o motorista ignora os sinais. Se está "rodando", não precisa mandar consertar; vai ficar caro e dá para esperar.

E aí, de repente, ele pára de rodar de vez. E o conserto, muitas vezes, é caríssimo.

O sono também é um sinal.

"Um jovem, chamado Êutico, que estava sentado numa janela, adormecendo profundamente durante o prolongado discurso de Paulo, vencido pelo sono, caiu do terceiro andar abaixo e foi levantado morto." (Atos 20.9)

Esse jovem, Êutico, não dormiu de repente. Ele cochilou, "pescou" um pouco. Contudo não prestou atenção a esses sinais, continuando num lugar perigoso: uma janela. E quando o sono o venceu, ele caiu da janela, e morreu.

O mesmo acontece com o motorista que dirige à noite. O sono vem, ele dá uns cochilos relâmpagos. São sinais de perigo. Ele pode dormir, o que provocará um grave acidente, causando a sua morte.

A febre é outro sinal. Ela indica que algo está errado com nosso organismo, que estamos com alguma infecção ou doença grave.

Não adianta tomar remédios para baixar a febre; pois, assim que terminar o efeito dele, a febre volta. Temos de procurar um médico, fazer exames para descobrirmos o que está causando a febre. Aí, então, faremos o tratamento correto.

O mesmo acontece com nossa vida. A "febre" é um sinal de que estamos com problemas.

No casamento, acontecem as brigas, as discussões, as dificuldades. É a "febre". o casamento está doente.

O dinheiro está pouco; as dívidas, muitas. O nervosismo aparece. A pessoa não está sabendo se disciplinar quanto às finanças, e as dívidas são sinais desse descontrole.

Nossos filhos são estranhos na própria casa. Não nos respeitam nem confiam em nós. A comunicação há muito não existe. Ficamos preocupados e queremos obrigá-los a agir como desejamos. Contudo essa atitude deles é uma "febre". A infecção é nossa displicência e omissão na criação deles. Achamos que dar a eles bens materiais, compensa a nossa ausência e egoísmo.

O Senhor, em sua misericórdia, permite essas "febres". São sinais que ele envia para que tomemos posição e busquemos diagnóstico de nossa "infecção".

E o remédio para essa "infecção" é o sangue precioso de Jesus Cristo, que é o maior antibiótico que existe.

Por isso Deus manda os sinais: para nos alertar.

"Os seus [do Senhor] relâmpagos alumiam o mundo; a terra os vê e estremece."

(Salmo 97.4)

Deus ilumina nossa mente e nosso coração. Ele nos faz ver, através de sua luz, o que pode nos acontecer. Ele usa sinais para nos mostrar que precisamos mudar, que estamos correndo perigo.

O Senhor usa as circunstâncias e os acontecimentos para nos despertar.

"Dos céus te fez ouvir a sua voz, para te ensinar, e sobre a terra te mostrou o seu grande fogo, e do meio do fogo ouviste as suas palavras."

(Deuteronônimo 4.36)

Não podemos ser rebeldes à voz do Senhor e aos sinais que ele nos envia para que acertemos nossas veredas, e caminhemos de acordo com a sua perfeita vontade.

"O Senhor Deus me abriu os ouvidos, e eu não fui rebelde, não me retraí."

Ignorando os Sinais

"Eles, porém, não quiseram atender e, rebeldes, me deram as costas e ensurdeceram os ouvidos, para que não ouvissem."

(Zacarias 7.11)

"Estendi as mãos todo dia a um povo rebelde, que anda por caminho que não é bom, seguindo os seus próprios pensamentos."

(Isaías 65.2)

Infelizmente a maioria do povo de Deus não observa os sinais que o Senhor lhe envia.

Eles se rebelam ou simplesmente ignoram esses sinais, e continuam no caminho que os levará à ruína.

Um ótimo exemplo de como ignorarmos os sinais de perigo leva à destruição é o que aconteceu, em 1911, com o navio Titanic.

Desde o seu projeto e construção, o Titanic foi considerado insubmersível. Ele era dotado de casco duplo, que era divido em compartimentos, isoláveis por comportas acionadas eletricamente. Isso dava a ele uma capacidade de flutuação incomparável. Mesmo que três dos seus cinco primeiros compartimentos fossem inundados, ainda assim ele se manteria firme na superfície.

Na época do seu lançamento, o Titanic era o maior objeto móvel manufaturado do mundo.

Quando os passageiros embarcavam a bordo desse colosso, uma senhora, temerosa por ser aquela a primeira viagem do Titanic, aproximou-se de um marinheiro e perguntou-lhe: - É verdade que este navio não pode afundar?

O marujo, extremamente arrogante, respondeu-lhe: - Minha senhora, nem Deus poderia afundar este navio.

A tragédia do Titanic poderia ter sido evitada se os avisos recebidos sobre a presença de gelo em sua rota não tivessem sido ignorados.

A tripulação recebeu seis alertas - o último indicava exatamente onde se encontrava o iceberg.

O comandante Edward Smith tomou conhecimento dos cinco primeiros, mas, aparentemente, não lhes dispensou maiores cuidados.

O sexto aviso nem chegou à cabine de comando. O rádio-telegrafista John Phillips, atarefado com as mensagens dos passageiros, estava cansado e nervoso.

Quando recebeu o alerta passado por um pequeno vapor, ele explodiu: "­Pare com isso que estou ocupado!"

Com isso, o Titanic perdeu contato com o único meio capaz de salvá-lo.

Mas a tripulação do Titanic não ignorou somente as mensagens rádio-telegráficas. As informações termométricas também foram ignoradas. A temperatura do mar caíra para um grau negativo. Isso indicava presença de gelo nas proximidades.

Muitas pessoas a bordo tiveram um leve pressentimento da tragédia. Houve até mesmo sonhos, mas mesmo assim resolveram embarcar no navio. Contudo todos esses alertas foram ignorados.

Nós também fazemos o mesmo. Desprezamos os sinais que Deus nos envia, fazemo-nos de surdos e cegos. Continuamos nossa vida, seguindo por um caminho que nos levará à tragédia, à morte.

Precisamos fazem como Pedro nos orienta:

"Temos, assim, tanto mais confirmada a palavra profética, e fazeis bem em atendê-la, como a uma candeia que brilha em lugar tenebroso, até que o dia clareie e a estrela da alva nasça em vosso coração."

(2 Pedro 1.19)

O Caos se Instala

Além dos avisos de outros navios sobre a presença de gelo na trajetória do Titanic, a temperatura do mar caíra nitidamente. Contudo a tripulação ignorou todos os avisos.

Então por volta das 23h40min, ouviu-se "uma espécie de barulho ribombante e rascante", vindo de algum ponto no fundo do navio. O Titanic fora ferido de morte. O navio que "ninguém poderia afundar", iria a pique em pouco menos de três horas.

Quando, às 2h05min o último bote foi lançado ao mar, ficaram para trás, para morrer; 1.523 pessoas.

O amanhecer do dia 15 de abril de 1912, cinzento, revelou uma frota dispersa de botes salva-vidas. Centenas de corpos flutuavam nas águas circunvizinhas. Os botes continham apenas 705 sobreviventes.

Poucos eram os vestígios do grande navio - pedaços de cortiça amarelo-avermelhada, algumas cadeiras, pilastras, salva-vidas, barcos abandonados, etc. O sol refletia na vivas faixas vermelhas e brancas do indicador da barbearia do Titanic, que boiava no mar deserto.

Era tudo o que restava do maior transatlântico do mundo!

Quando os avisos são ignorados, o caos se instala.

"Assim me disse o Senhor: Vai, compra um cinto de linho e põe-no sobre os lombos, mas não o metas na água.

Comprei o cinto, segundo a palavra do Senhor, e o pus sobre os lombos. Então, pela segunda vez me veio a palavra do Senhor, dizendo: Toma o cinto que compraste e que tens sobre os lombos; dispõe-te, vai ao Eufrates e esconde-o ali na fenda de uma rocha.

Fui e escondi-o junto ao Eufrates, como o Senhor me havia ordenado. Passados muitos dias, disse-me o Senhor: Dispõe-te, vai ao Eufrates e toma o cinto que te ordenei que escondesses ali.

Fui ao Eufrates, cavei e tomei o cinto do lugar onde o escondera; eis que o cinto se tinha apodrecido e para nada prestava. Então, me veio a palavra do Senhor, dizendo: Assim diz o Senhor: Deste modo farei também apodrecer a soberba de Judá e a muita soberba de Jerusalém.

Este povo maligno, que se recusa a ouvir as minhas palavras... Porque, como o cinto se apega aos lombos do homem, assim eu fiz apegar-se a mim toda a casa de Israel e toda a casa de Judá, diz o Senhor, para me serem por povo, e nome, e louvor, e glória; mas não deram ouvidos... Fá-lo-eis em pedaços, atirando uns contra os outros, tanto os pais como os filhos; diz o Senhor; não pouparei, não terei pena, nem terei deles compaixão, para que os não destrua... Mas, se isto não ouvirdes, a minha alma chorará em segredo por causa da vossa soberba; chorarão os meus olhos amargamente e se desfarão em lágrimas, porquanto o rebanho do Senhor foi levado cativo."

(Jeremias 13.1-17 - grifo do autor)

O salário da surdez e da cegueira espiritual, que ignoram os sinais do Senhor, é a destruição, o caos.

"Então, disse ele:

Vai e dize a este povo: Ouvi, ouvi e não entendais; vede, vede, mas não percebais.

Torna insensível o coração deste povo, endurece-lhe os ouvidos e fecha-lhe os olhos, para que não venha ele a ver com os olhos, a ouvir com os ouvidos e a entender com o coração, e se converta, e seja salvo.

Então, disse eu: Até quando, Senhor? Ele respondeu:

Até que sejam desoladas as cidades e fiquem sem habitantes, as casas fiquem sem moradores, e a terra seja de todo assolada."

(Isaías 6.9-11)

Temos de ouvir os sinais do Senhor. Se não mudarmos de rumo, morreremos.

( Silmar Coelho - Trecho do livro:" Mude de rumo antes que seja tarde")

Um comentário:

Anônimo disse...

Precisamos estar sempre atentos aos sinais do Senhor.