6 de jul de 2009

Batalha espiritual

A CARNE (O INIMIGO INTERIOR)

O EVANGELHO É UMA MENSAGEM POSITIVA, MENSAGEM DE SALVAÇÃO E REDENÇÃO, UMA PALAVRA DE GRAÇA E ALEGRIA. MAS NÃO É UMA GRAÇA BARATA, E NEM UMA ALEGRIA FÁCIL.

O EVANGELHO É LIVRE, MAS NÃO É FÁCIL. NÃO HÁ NASCIMENTO SEM DORES DE PARTO, NÃO HÁ LIBERDADE SEM DISCIPLINA, NÃO HÁ VIDA SEM MORTE, NÃO HÁ “SIM” SEM “NÃO”.

A VIDA EM CRISTO TEM INIMIGOS MORTAIS QUE TÊM QUE SER RESISTIDOS SEM COMPROMISSO.

GÁLATAS 5:16-24. – SOMOS UM ESPÍRITO, TEMOS UMA ALMA E VIVEMOS NUM CORPO, ESTE CORPO PODE SER UM INSTRUMENTO PARA Á GLÓRIA DE DEUS (RM 12:1 – 1 CO 6:20), PODE SER REDIMIDO E TRANSFORMADO (RM 8: 23 – FL 3:21), MAS A CARNE DEVE MORRER (GL 5:24).

O HOMEM TEM O LIVRE ARBÍTRIO, E COMO SERES HUMANOS, TEMOS QUE ESCOLHER ENTRE DOIS CAMINHOS E NOS RESPONSABILIZAR POR NOSSA ESCOLHA.

ROMANOS 12:2. – A MENTE PODE SER TRANSFORMADA E RENOVADA, TREINADA PARA SERVIR AOS PROPÓSITOS DIVINOS. (ALMA = MENTE E SENTIMENTOS).

EFÉSIOS 2: 1-3. - A CARNE QUE MILITA CONTRA O ESPÍRITO É A “MENTE CARNAL”, A VONTADE DO HOMEM TORNA – SE SUPREMA. SEUS DESEJOS TÊM QUE SER ATENDIDOS ACIMA DE TODAS AS COISAS. ISTO TEM NOME, E CHAMA-SE CONCUPISCÊNCIA DA CARNE OU OS DESEJOS DA MENTE, AS OBRAS DA CARNE ABRANGEM MAIS QUE OS APETITES DO CORPO.

ROMANOS 1: 21–24. - NA ALMA, ATRAVÉS DA MENTE NOS TORNAMOS ARROGANTES E EGOÍSTAS E TOMAMOS DECISÕES QUE DESONRAM O CORPO E ESCURECEM O RACIOCÍNIO. VIVER EM TODA OBRA DA CARNE SIGNIFICA FAZER O QUE EU QUERO, ATENDER OS DESEJOS DO MEU EGO. O ORGULHO E A PAIXÃO VIVEM NA CARNE EM PERFEITA HARMONIA.

TIAGO 1: 13-16. - O INIMIGO INTERNO, “A CARNE”, ATRAVÉS DE SEUS DESEJOS PERVERSOS PROCURA ROUBAR O NOSSO CORAÇÃO DE DEUS.

VENCER A CARNE:

1) É PENOSO, É DOLORIDO (1 PEDRO 4:1 e 2 –L. H.) – (GN 4: 7).

2) DEVEMOS CRUCIFICÁ-LA IMPIEDOSAMENTE E SEM OLHAR PARA TRÁS (GÁLATAS 5:24).

3) DEVEMOS LUTAR CONTRA NOSSOS DESEJOS CARNAIS, ATRAVÉS DA FORÇA DO ESPÍRITO SANTO, SERÁ DIFÍCIL E PENOSO, MAS NÃO TANTO QUANTO A PERDA DA ETERNIDADE (RM 8: 1 - 4, 6 – 8, 12 – 13).

As Obras da Carne O Inimigo Interior

O tempo parece ser propício para o bom sentimento religioso. Há um espírito de alegria, a mensagem é animadora. E contra isso em si não temos queixa. O evangelho é uma mensagem bem positiva. É uma mensagem de salvação e de redenção uma palavra de graça e de alegria. Mas não é uma graça barata, nem uma alegria fácil. E é exatamente aqui que me encontro ansioso com o espírito religioso de nossos dias um espírito que embrulha e vende o "evangelho" como se faz com óleo de cobra, um remédio de charlatão de rápida ação, que cura tudo e nada exige. Como certa vez observou C. S. Lewis, o evangelho no final das contas é bastante confortador, mas não se inicia assim. A palavra de Cristo no começo nos desfaz em pedaços num desmascarar doloroso de nossos pecados (veja Romanos 13), depois com amor e cuidado nos torna inteiros de novo (Salmos 51:8). O evangelho é livre, mas não é fácil. Não há nascimento sem dores de parto, não há liberdade sem disciplina, não há vida sem morte, não há "sim" sem "não". É nesse espírito que se escolheu o tema desta edição da revista. Não para levantar um eterno "Não", mas para reconhecer que a vida em Cristo tem inimigos mortais que têm que ser resistidos sem compromisso.

O que Paulo quer dizer com a "carne"? Será que os homens receberam duas naturezas na criação uma má e outra boa? Ou será que pelo pecado de Adão entrou no homem alguma perversidade profundamente arraigada? A resposta a essas duas perguntas é um inequívoco "não". Quando Deus criou o homem, este foi declarado completamente "bom" (Gênesis 1:31). Todo homem que pecou desde Adão até os nossos dias não o fez por necessidade, mas por livre escolha. Os homens pecam porque querem (Eclesiastes7: 29). Não somos espirituais nem carnais por natureza, mas somos capazes das duas coisas, e, como seres humanos, temos de escolher entre esses dois caminhos e nos responsabilizar por nossa escolha.

Embora Paulo às vezes use "carne" (sarx) em referência ao corpo físico (Romanos 2:28) ou ao aspecto humano (Romanos 3:20), a palavra significa muito mais do que isso em Gálatas 5:16-24. O corpo pode tornar-se um instrumento da glória de Deus (Romanos 12:1; 1 Coríntios 6:20), mas a "carne" não (Romanos 8:5-8). O corpo pode ser redimido e transformado (Romanos 8:23; Filipenses 3:21), mas a "carne" deve morrer (Gálatas 5:24).

A "carne" que milita contra o Espírito não é a mente ou o intelecto, pois a mente, como o corpo, pode ser transformada e renovada, treinada para servir aos propósitos divinos (Romanos 12:2).

Essa "carne" não é nem a mente nem o corpo em si mesmos, mas uma atitude pela qual o homem opta e que o põe contra Deus. Na "mente carnal", à vontade do homem torna-se suprema. Seus desejos têm que ser atendidos acima de todas as coisas.

Estes podem ser as concupiscências da carne ou os desejos da mente (Efésios 2:3), mas serão satisfeitos a qualquer custo. É por isso que "as obras da carne", contra as quais Paulo adverte, abrangem mais que os apetites do corpo. Na realidade, se possível, estes são as menores das enfermidades espirituais.

É na mente que escolhemos servir a nós mesmos. É na mente que nos tornamos arrogantes e egoístas e tomamos decisões que desonram o corpo (Romanos 1:24) e escurecem o raciocínio (1:21). Viver em toda obra da carne significa fazer o que eu quero não simplesmente satisfazer os meus desejos carnais mais baixos, mas atender os desejos do meu ego. O orgulho e a paixão vivem na "carne" em perfeita harmonia.

Precisamos conhecer os nossos inimigos. Os artigos que se seguem nos ajudarão a identificá-los melhor. Não são as pessoas, mas os desejos perversos que procuram roubar o nosso coração de Deus. Existe uma forma racional de enfrentarmos esses adversários crucificá-los impiedosamente e sem olhar para trás (Gálatas 5:24). Será penoso (1 Pedro 4:1), mas não tanto quanto a perda da eternidade


A Mente Carnal

"Porque o pendor da carne dá para a morte, mas o do Espírito, para a vida e paz" (Romanos 8:6).

Uma das maiores ameaças ao bem-estar de qualquer igreja local é a mentalidade carnal que seus membros podem ter. A mente carnal é a "morte"; é "inimizade contra Deus"; "não está sujeito à lei de Deus, nem mesmo pode estar"; "não pode agradar a Deus" (Romanos 8:6-8). Que contradição uma igreja alegar ser "de Cristo" quando as pessoas que a compõem têm a mente carnal que não pode agradar a Deus!

A mente carnal pode ser mais bem entendida se a compararmos à mente do Espírito. Aquele que tem a mente espiritual tem consciência de Deus. E sempre vivendo dessa forma, ele enxerga a Deus como um companheiro constante; alguém que observa cada palavra, ato e pensamento; o doador de toda boa dádiva; aquele que o protege de dia e de noite o guarda. Ele "anda com Deus"; agradece a Deus; louva a Deus; confia em Deus; vê em Deus a fonte da força; ele "pensa" em Deus e faz tudo isso diariamente. Em contrapartida, a pessoa de mente carnal tem os pensamentos voltados, sobretudo para as coisas deste mundo, fazendo delas o maior interesse de sua vida. Ela pensa em carros, roupas, barcos, esportes, aparelhos de som, videocassetes, venda de ações, viagens e aposentadoria antes do tempo. A pessoa de mente espiritual fixa sua mente nas coisas de cima, ao passo que a de mente carnal a põe nas coisas da terra (Colossenses 3:2).

A pessoa que tem a mente espiritual realmente ama a leitura das Escrituras e a adoração de Deus. Diante da opção de participar de um estudo bíblico em que estaria cercado de pessoas que pertencem a Deus e da opção de ir a um lugar de divertimento, em que estaria rodeada de gente mundana, sua preferência seria o estudo. A pessoa de mente carnal, por outro lado, vai ao culto, mas o faz ou por hábito ou simplesmente para atender às exigências. Acha pouco prazer na lei do Senhor, em adorá-lo.

A pessoa de mente espiritual olha em direção ao céu e anseia estar lá. Alegra-se nesta vida, mas a antecipação de ver a Deus e o seu Senhor Jesus freqüentemente toma conta da sua mente e a estimula. À medida que envelhece e o homem exterior mostra cada vez mais os sinais da degradação, seu homem interior encontra o renovo diário por meio da fé aumentada e do desejo em relação àquilo que não se vê.

Para o homem de mente carnal, em contraposição, a velhice é uma ameaça; ele busca inutilmente agarrar-se a sua mocidade; raramente pensa no céu, mas praticamente entra em pânico ao ver que quanto mais ele tenta segurar com tenacidade esta vida, mais ela lhe escapa das mãos, passo a passo.

A mente carnal é Ananias e Safira, tramando para conseguir o louvor dos homens em cima de uma mentira. A mente carnal é Diótrofes, amando a preeminência e governando com uma atitude de "ou você se submeta ou saia da minha frente". A mente carnal são os falsos mestres de Corinto, obtendo o controle por meio da arrogância, das falsas comparações, das representações enganosas e da escravidão de seus seguidores. A mente carnal são os próprios coríntios, gloriando-se na sabedoria humana e demonstrando inveja, contendas e divisões. A mente carnal são aqueles a quem Paulo escreveu: "Pois todos eles buscam o que é seu próprio, não o que é de Cristo Jesus" (Filipenses 2:21). A mente carnal é qualquer pessoa que vive para este mundo e para a aprovação dos homens, em vez de viver para o céu e para a aprovação de Deus.

Portanto, não precisamos ser imorais, obviamente, para termos a mente carnal; tampouco precisamos deixar de ir aos cultos ou de contribuir como nosso dinheiro. Podemos ir a todo culto da igreja, levar uma vida de boa moral, dar com liberalidade e ainda assim termos a mente carnal. Podemos até ser nomeado presbítero de mente carnal, nomeados para aquela função por uma congregação de mente carnal que fica cada vez mais carnal debaixo da influência de seus pregadores e de seus presbíteros de mente carnal. Você acha isso exagerado. Não há gente de mente mais carnal nas Escrituras que os fariseus religiosos, que estavam cegos, sem poder enxergar a sua mentalidade carnal, porque buscavam atender minuciosamente aos aspectos externos. Conhecemos poucos na igreja do Senhor que não correm o risco sério de morte por causa desse mesmo erro.

O remédio do Espírito para a mente carnal é: "E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus" (Romanos 12:2). Renovação da mente! Transformação! Metamorfose! Livrar a mente das disposições e dos interesses carnais, enchendo-a com as disposições e os interesses espirituais! Essa é outra forma de dizer: "Habite, ricamente, em vós a palavra de Cristo" (Colossenses 3:16). Não é tarde demais. Deixe que ele te molde. A felicidade eterna está em jogo.

Um comentário:

Palu Felipe disse...

Muito bom o blog...de Deus...tbm tenhuh escrito sobre o assunto na meu blog...Deus está levantando seus valentes...louvo a Deus pelas vidas disportas a propagar a mensagem q liberta...paaaaaazzzzz!!!